EM 2018, VAMOS FAZER DIFERENTE EM LIMPEZA!

de / quinta-feira, 11 janeiro 2018 / Publicado emArtigos

É uma tendência mundial fazer planos para o ano novo. Todas as viradas do calendário trazem a oportunidade e a vontade de fazer diferente (e melhor) do que fizemos no ano que passou, desde mudanças na alimentação, rotina de trabalho, exercícios físicos, horas com a família ou projetos de estudo. A cada 31 de dezembro, milhões de pessoas desejam que, dali a um ano, suas vidas estejam da forma como imaginaram que estariam. E não há tempo a perder! 2018 já começou!

O início desse ano também já nos permite fazer um balanço do que é a realidade do futuro, afinal, já estamos caminhando para o final de duas décadas de século XXI; nascidos na virada do milênio já estão se tornando adultos e economicamente ativos – e potencialmente modificadores do cenário mundial. Quais serão suas decisões que impactarão fortemente o planeta nas próximas décadas? Como seu comportamento afetará o mercado de trabalho, as descobertas cientificas e a cultura de modo geral?

É uma pergunta ampla que envolve diversas diretrizes de pensamento, então vamos nos focar apenas naquilo que mais aparece no dia a dia de nossa área de atuação, que é a área da limpeza e higiene. Um comportamento que começou a se desenvolver nas últimas décadas do século XX e ganhou corpo no século XXI é o “verde”, ou seja, a preocupação com tudo que envolve o futuro ecológico do planeta e em como todos nós somos responsáveis pelos impactos na natureza terrestre. A sociedade humana, em sua atual etapa de ocupação da Terra, se utiliza de praticamente todos os recursos existentes (minérios, combustíveis fósseis, água, árvores, animais silvestres) e os transforma em tudo aquilo que faz parte de nossas vidas, e os produtos de higiene e limpeza não estão isentos disso. Sendo assim, nada mais justo que também essa área seja impactada pelo comportamento “verde” da nova geração – e de todos aqueles que pensam da mesma forma.

Isso porque o pensamento “verde” acaba impactando a decisão de compra dos produtos e a economia de forma geral, ou seja, um produto que é “amigo do meio ambiente” acaba sendo escolhido por aqueles que buscam formas de amenizar o impacto no planeta, e se a maioria dos consumidores for formada por pessoas assim, as vendas desse tipo de produto sobem. Parece uma equação simples, mas não é essa a realidade que pesquisas de mercado tem encontrado por aí.

Nos últimos anos, pesquisas mostraram que, apesar do discurso “verde”, uma parcela mínima da população acaba adquirindo produtos que estejam adequados a essa tendência, ou seja, é o comportamento típico de que falo, mas não faço. Os motivos vão desde maior preço até a má aparência do produto e também menor eficácia naquilo que se pretende fazer, ou seja, as pessoas acabam voltando àqueles produtos de antigamente. Cabe aos fabricantes trabalharem as vantagens de seus produtos a ponto de reverter esse quadro.

Vejamos alguns números que ilustram o cenário exposto acima, trazidos pelo site Trendwatching.com:

– 40% dos consumidores globais alegam que querem comprar produtos “verdes”, mas apenas 4% o fazem;

– 58% acham que esses produtos são caros demais;

– apesar da grande diversidade de produtos no mercado, apenas 5% não são considerados “greenwashing”, ou seja, se utilizam da maquiagem verde para parecer sustentáveis quando, na realidade, não o são.

Especificamente no Brasil, uma pesquisa realizada mostrou que 78% dos consumidores querem fazer escolhas “verdes” desde que tanto o preço quanto a qualidade fossem as mesmas que as dos produtos tradicionais, no entanto, 28% disseram que comprariam produtos sustentáveis mesmo que o custo fosse maior. Esses números mostram, claramente, que já é notável a mudança de comportamento dos brasileiros em relação à aquisição de produtos que seguem a tendência atual de menor impacto no meio ambiente, mas ainda se faz necessário maiores esclarecimentos sobre a importância de fazer diferente e melhor em relação aos produtos de limpeza.

Por outro lado, mudanças de comportamento em relação aos temas sustentáveis como reciclagem, economia de água, utilizar fontes de energia renováveis e menor utilização de papel não devem ser deixados de lado, pois somente dessa maneira será possível reverter alguns problemas tão atuais como o aquecimento global, além do mais, países de economia mais avançada, como os da Europa, já mostraram que é possível viver bem sem abrir mão de novas atitudes em relação ao meio ambiente.

Então, vamos combinar e fazer diferente em 2018? Começando pela limpeza, mude seus hábitos e contribua para um planeta mais saudável e uma vida mais feliz!

 

 

FONTES:

REVISTA hsm management 125 extra

https://exame.abril.com.br/marketing/consumidor-esta-mais-sustentavel-diz-pesquisa/

Subir